Residência Vitanuova no Residencial Aurora em Paulínia - 2017~2018

Nem tudo que é simples é simplório. Esta fachada foi projetada para vencer os modismos através do tempo, abrindo mão dos adornos e emulando a pura geometria.
Nem tudo que é simples é simplório. Esta fachada foi projetada para vencer os modismos através do tempo, abrindo mão dos adornos e emulando a pura geometria.

A maneira de construir casas no Brasil está mudando conforme a troca de informações com outras culturas é facilitada por canais como a Internet. No entanto, há idiossincrasias com as quais somente os arquitetos locais conseguem lidar.

Houve um tempo no qual algumas famílias que desejavam construir uma casa térrea tinham algum receio de ver os vizinhos construindo sobrados ao lado. Isso resultaria numa construção que perderia o devido destaque na rua - não que isto seja fundamental numa moradia, mas é um aspecto psicológico, e mesmo mercadológico, que muitas pessoas consideram.

A solução para este impasse foi aumentar o pé-direito das construções. Em termos normais e até por exigência de leis, a altura mínima dos cômodos de residências em várias cidades do Brasil é de 2,5 metros. Em termos de conforto ambiental, um pé-direito entre 2,7 e 3 metros é o mais aconselhável. Mas ultimamente estamos vendo casas térreas com pé-direito de até 5 ou exagerados 6 metros.

Ocorre que se esta altura maior for padronizada para todos os cômodos de uma casa, grandes distorções visuais serão aferidas nas peças menores, especialmente os sanitários. Mesmo um banheiro de tamanho generoso, como 1,6 metro de largura por 3 metros de comprimento, poderá parecer pequeno se a altura dele for de mais de 4 metros.

Então, para atender o bom senso e preservar o desejo de conferir certa imponência numa casa térrea, muitos arquitetos tem trabalhado com alturas diferentes nas lajes. Geralmente se respeita uma altura padrão para a maior parte dos cômodos, ao passo que o conjunto das salas ganha um pé-direito maior.

É o que vemos nesta residência em Paulínia, construída no Residencial Aurora, onde o pé-direito básico gira em torno de 2,8 metros, com pequenas variações em função de degraus que separam áreas internas das externas, em contraponto ao pé-direito mais alto nas salas de estar e jantar. Neste caso a laje foi concretada com 4,6 metros de altura em relação piso acabado, permitindo o uso de forro rebaixado de gesso sem comprometer a sensação de espaço maior no conjunto.

Toda a casa tem pé-direito com 2,8 metros de altura, exceto nas salas de estar e jantar, onde a laje foi concretada numa altura de 4,6 metros em relação ao piso.
Toda a casa tem pé-direito com 2,8 metros de altura, exceto nas salas de estar e jantar, onde a laje foi concretada numa altura de 4,6 metros em relação ao piso.

A cozinha americana foi idealizada para promover a integração dos ambientes sociais, favorecendo ainda a iluminação natural e ventilação cruzada.

Programa essencial

Esta casa térrea possui tudo o que uma família de classe média necessita para viver com conforto, sem os excedentes que oneram o custo de manutenção do imóvel ao longo dos anos. Além da garagem coberta para dois carros temos a sala de estar e jantar unificadas num ambiente maior, acessível diretamente por uma porta social pivotante que ganha destaque na fachada.

A cozinha no estilo americano liga este setor social à lavanderia e ao corredor externo, comportando ainda uma despensa que alivia a necessidade de investir em armários para todo o perímetro do local. Um corredor privativo alimenta a suíte do casal, um banho social e dois dormitórios - um deles com um jardim de inverno exclusivo.

Nos fundos, temos a varanda com churrasqueira, aberta para o grande quintal resultante da área de construção compacta. Isso permitiu também que a área permeável do lote fosse superior a 20%, quando o mínimo exigido no município é de apenas 10%.

Na varanda de canto, nos fundos da residência, fica a churrasqueira servida por uma pia externa.
Na varanda de canto, nos fundos da residência, fica a churrasqueira servida por uma pia externa.

Reprodução do quadro de áreas do projeto aprovado na Prefeitura Municipal de Paulínia.
Reprodução do quadro de áreas do projeto aprovado na Prefeitura Municipal de Paulínia.

Áreas distintas

Sempre que possível entregamos os projetos residenciais observando a distinção das áreas da casa. Nós separamos o que é o corpo principal da residência propriamente dita da garagem, da varanda e da piscina, quando é o caso.

A razão para fazermos isso é garantir alguns descontos no momento em que os construtores das casas decidem fazer o acerto com a Receita Federal, fazendo o devido pagamento do INSS da mão de obra. Este acerto para obtenção da CND - passo anterior à averbação da obra na matrícula do lote - considera algumas variáveis como o padrão construtivo, o número de sanitários e o tipo de construção.

A Receita Federal concede descontos no cálculo do INSS para áreas especificadas como varanda, garagem e piscina, cobrando o valor integralmente apenas do corpo principal da casa. Esta regra vale em todo o território nacional. Portanto, mesmo que você não contrate nosso escritório, atente para que o escritório de sua cidade considere este aspecto.

Anterior - Próximo (breve em JeanTosetto.com)

Veja também:

Nenhum comentário:

Postar um comentário